Catalogação no CBBD 2013

De 7 a 10 de julho de 2013 aconteceu em Florianópolis – SC, o XXV CBBD. Seguem neste post algumas impressões minhas a respeito das apresentações e das discussões sobre catalogação que presenciei/participei.

Reunião do GEPCAT

A reunião do Grupo de Estudos e Pesquisas em Catalogação (GEPCAT) ocorreu na tarde da segunda-feira, 08/07, e contou com uma apresentação do GEPCAT, realizada pela Zaira Regina Zafalon e com sete apresentações.

A primeira apresentação, “RDF como modelo de descrição no contexto biblioteconômico”, foi realizada por Maria Elisabete Catarino. Entendo que essa introdução sobre o Resource Description Framework (tema quase nunca explorado nos eventos brasileiros de catalogação) foi algo marcante dessa reunião. A exposição gerou a percepção de que faltava conhecimento aos ouvintes.

Infelizmente, muitos participantes parecem não ter entendido o propósito do RDF e, por isso, não perceberam a relação dele com a catalogação. Entre os fatores que não contribuíram para esse entendimento está o desconhecimento de alguns conceitos e tecnologias que antecederam o RDF e/ou que são utilizados com ele: a boa e velha XML, o conceito e a aplicabilidade dos namespaces e, ainda mais importante, o conceito de vocabulário.

Felizmente, a percepção de que lhes faltava conhecimento, incentivou alguns participantes em seus estudos. Assim, me agrada o pensamento de que essa foi a primeira de muitas outras apresentações/discussões nacionais sobre o RDF e a catalogação.

Por mais que seja difícil prever uma tendência de pesquisa sem ter em mãos quaisquer dados bibliométricos/cientométricos, estimo que daqui a dois anos as discussões nacionais sobre RDF e sobre os conceitos a ele relacionados serão muito mais fraquentes em nossos eventos de catalogação. Faço essa estimativa principalmente considerando os projetos de Linked Data e as iniciativas como a do BIBFRAME. Esses são desenvolvimentos internacionais da área e, por não estarmos acompanhando/participando, estamos sendo deixados de lado e, em algum momento, seremos engolidos ou sufocados por eles.

A segunda apresentação, “Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das tecnologias de informática na catalogação descritiva“, foi realizada por mim. Tentei traçar uma sistematização sobre a conversão/reutilização de dados no contexto da catalogação. Retomei algumas práticas de catalogação e como as tecnologias foram e têm sido utilizadas para favorecer a reutilização dos dados catalográficos.

Também falei sobre como a reutilização de dados está sendo pensada levando em consideração a integração e a ligação dos dados no contexto dos desenvolvimentos da Web Semântica. Não sei se fui compreendido. Talvez não. Mas não há problema. Não é a primeira vez e nem será a última =) Seguem meus slides:

A terceira apresentação, “FRAD: contexto e conceitos“, foi realizada por Denise Mancera Salgado, que trouxe uma explanação breve, bastante clara e objetiva sobre o modelo conceitual FRAD.

FRAD: contexto e conceitos - Denise Mancera Salgado
FRAD: contexto e conceitos – Denise Mancera Salgado
FRAD: contexto e conceitos - Denise Mancera Salgado
FRAD: contexto e conceitos – Denise Mancera Salgado

A quarta apresentação, “RDA e ISBD Consolidada“, trouxe algumas reflexões do Fernando Modesto sobre o papel da ISBD na história da catalogação, as novidades da edição consolidada (principalmente a Área 0) e alguns questionamentos sobre a relação ISBD-RDA.

RDA e ISBD Consolidada - Fernando Modesto
RDA e ISBD Consolidada – Fernando Modesto

Ana Maria Pereira, na quinta apresentação, abordou o “Ensino da Catalogação com o RDA e suas inovações na área de Biblioteconomia“, destacando alguns dos problemas atuais na educação do catalogador: carga horária, grade dos cursos e avanços tecnológicos.

Ensino da Catalogação com o RDA e suas inovações na área de Biblioteconomia - Ana Maria Pereira
Ensino da Catalogação com o RDA e suas inovações na área de Biblioteconomia – Ana Maria Pereira

Penso que essa apresentação (e outras realizadas no I ENACAT) deixou bem claro que devemos discutir o ensino de catalogação para traçarmos ações que efetivamente possam nos ajudar a amenizar os problemas enfrentados por todos os professores de catalogação.

Ensino da Catalogação com o RDA e suas inovações na área de Biblioteconomia - Ana Maria Pereira
Ensino da Catalogação com o RDA e suas inovações na área de Biblioteconomia – Ana Maria Pereira

A sexta apresentação, “O uso do RDA no catálogo de autoridades da UCS“, foi realizada por Marcelo Votto Teixeira, que sintetizou o processo de implantação do RDA na Universidade de Caxias do Sul. Marcelo destacou que tal implementação é parcial, envolvendo apenas a utilização de alguns dos campos do Formato MARC 21 para Dados de Autoridade criados para suportar a utilização do RDA.

O uso do RDA no catálogo de autoridades da UCS - Marcelo Votto Teixeira
O uso do RDA no catálogo de autoridades da UCS – Marcelo Votto Teixeira

Em uma apresentação anterior, realizada na Universidade Federal de Minas Gerais, Marcelo descreveu mais detalhadamente o que ele está realizando na UCS em relação ao RDA.

Os exemplos de registros de autoridade trazidos pelo Marcelo suscitaram discussões acaloradas durante boa parte da reunião.

O uso do RDA no catálogo de autoridades da UCS - Marcelo Votto Teixeira
O uso do RDA no catálogo de autoridades da UCS – Marcelo Votto Teixeira

Por fim, Liliana Giusti Serra falou sobre “Catalogação e RDA: questões observadas no congresso da American Library Association“. Essa apresentação finalizou muito bem a reunião do GEPCAT trazendo de forma clara informações sobre como o RDA está sendo pensando, discutido e utilizado nos Estados Unidos.

Catalogação e RDA: questões observadas no congresso da American Library Association - Liliana Giusti Serra
Catalogação e RDA: questões observadas no congresso da American Library Association – Liliana Giusti Serra
Catalogação e RDA: questões observadas no congresso da American Library Association - Liliana Giusti Serra
Catalogação e RDA: questões observadas no congresso da American Library Association – Liliana Giusti Serra

Apenas um problema: a reunião ocorreu em uma sala minúscula (cerca de 30 lugares). Em alguns momentos, acompanhar as discussões tornou-se quase impossível para algumas pessoas em razão da falta de espaço.

O objetivo das apresentações – levantar discussões – certamente foi alcançado. A reunião iniciou por volta das 14h e terminou depois das 18:30h. Manter os participantes naquela pequena sala por tanto tempo e discutindo intensamente é a prova de que espaços para a discussão da catalogação são cada vez mais necessários.

Trabalhos apresentados

Presenciei e participei de algumas apresentações de trabalhos que, de alguma forma, envolviam catalogação. Minhas impressões sobre essas apresentações podem ser resumidas nos seguintes comentários.

Está cada vez mais evidente a necessidade de conhecermos padrões de metadados como o Dublin Core. Esse conhecimento deve ser comunicado ainda nos cursos de graduação. Para isso, penso que a atuação conjunta dos docentes das disciplinas de catalogação e das disciplinas “tecnológicas” (introdução à Ciência da Computação, automação, repositórios, bibliotecas digitais, sistemas de gerenciamento, etc.) é primordial.

A abordagem sobre o Dublin Core em qualquer dessas disciplinas deve ser complementada com aspectos trazidos das outras disciplinas. Por exemplo, ao abordar o Dublin Core em uma disciplina sobre repositórios, é necessário deixar claro que:

  • O Dublin Core, no contexto dos repositórios, desempenha o papel que o MARC 21 desempenha no contexto das bibliotecas;
  • O Dublin Core e o MARC 21 fazem quase que a mesma coisa, mas com propósitos um pouco diferentes;
  • A conversão de Dublin Core para MARC 21 e vice-versa é possível sem a necessidade de retrabalho;
  • Existem ferramentas que permitem trabalhar com Dublin Core e com MARC 21, possibilitando que os sistemas que utilizam esses distintos padrões possam “conversar” entre si.
Descrição dos boletins utilizando o padrão de metadados Dublin Core (DC)
Descrição dos boletins da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e Faculdade de Filosofia (FFCL) e Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) utilizando o padrão de metadados Dublin Core (DC) – Brianda de Oliveira Ordonho Sígolo, Eliana Mara Martins Ramalho
Adequação do Dublin Core ao AACR2
Adequação do Dublin Core ao AACR2: o caso da Biblioteca Digital da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais – Paulo de Castro Gonçalves, Cristina Machado Leão, Márcia Milton Vianna

Uma percepção geral sobre os trabalhos e sobre a reunião do GEPCAT: muito do conhecimento de que precisamos está lá fora: fora da Biblioteconomia/Ciência da Informação, fora de nossas instituições, fora de nossos tradicionais espaços de atuação, fora de nossa zona de conforto e, por favor, fora dos 7,5 x 12,5 cm.

Penso que buscar novos olhares e novas abordagens nunca foi tão importante quanto agora, assim como a catalogação nunca foi tão importante quanto poderá ser se os profissionais/pesquisadores que sobre ela se debruçam se debruçarem também sobre outras fontes.

Obrigado aos organizadores do evento e a todos que possibilitaram a reunião do GEPCAT. Sem dúvida esse espaço de discussão fez toda a diferença!

Foi muito bom rever os colegas, fazer novos e conhecer tantos outros pessoalmente. Abraços e nos vemos no próximo evento!

Fabrício

Atualização: Os anais do XXV CBBD estão disponíveis em portal.febab.org.br/anais.

Autor: Fabrício Assumpção

Bacharel em Biblioteconomia. Doutorando em Ciência da Informação na UNESP.

14 pensamentos em “Catalogação no CBBD 2013”

  1. Oi Fabrício,

    Gostaria de saber se os slides sobre a apresentação do Fernando Modesto (RDA X ISBD) estão disponíveis em algum lugar, estou fazendo minha monografia aqui na UnB sobre o RDA e penso que esse material seria interessante.

    Obrigada!!

  2. Fabricio, muito obrigada pelas informações sobre RDA/Catalogação no XXV CBBD. Muito úteis. Infelizmente, não pude comparecer nessa sessão. Um grande abraço!

    1. Olá Iza,

      Obrigado pela visita ao blog. Fico feliz que as informações tenham sido úteis. Estamos tentando “aquecer a catalogação”, espero que em breve tenhamos mais espaços/ocasiões como essa reunião!

      Abraços!

  3. Olá Fabrício, muito bom seu relato. Infelizmente não pude estar presente mas a vontade era grande. Acredito que deverá haver mais discussões sobre catalogação neste momento de mudanças/incertezas. Particularmente, procuro conhecer mais a cada dia. Sou mestranda na UDESC, minha orientadora é a profa. Ana Maria e estou buscando conhecer os temas que tem circundado a RDA, como metadados, web semântica, ontologias e outros mais. Percebo que há muito caminho pela frente ainda no meu singelo conhecimento rsrsrs. abraço! Raquel

    1. Olá Raquel,
      Que bom que gostou do relato! Certamente teremos mais discussões! Não podemos parar nesse momento tão importante. É muito bom saber que há pessoas dispostas a estudar a relação da catalogação com a Web Semântica e as ontologias! Bons estudos!
      Abraços para você e para a Prof.ª Ana Maria!

  4. oi Fabricio, voce era magro e alto??? já morou em Sobradinho DF? HUM… me desculpe eu sou surda, mora Formosa GO. rs rs rs… favor gentileza me responde..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *