Catalogação, formas de representação e construções mentais

catalogacao-formas-de-representacao-e-construcoes-mentais

O volume 6, número 1 da revista Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação trouxe o artigo Catalogação, formas de representação e construções mentais, de autoria de Plácida L. V. Amorim da Costa Santos.

O processo de catalogação, como responsável pela construção de sistemas constituídos por conjuntos de elementos interconectados e combinados de formas de representação cria instrumentos para facilitar o fluxo da informação nos mais diversos ambientes informacionais e é responsável pela apresentação de estruturas que oferecem condições favoráveis de acesso aos códigos formais de representação simbólica e aos canais de transferência da informação, desempenhando com competência a decodificação e a codificação dos códigos e regras utilizados para representar conhecimento e descrever informações, documentos e recursos. O objetivo neste artigo é apresentar: o desafio de transformar dados operacionais em informações consistentes, o papel das formas de representação e as construções mentais para a definição dos marcadores de memória de usuários de catálogos. Apresenta como resultados os marcadores de memória indicados por três categorias de usuários para a descrição de um recurso do tipo livro e aponta a necessidade do trabalho colaborativo e cooperativo na catalogação e a importância de catálogos modelados com foco no usuário.

O artigo completo está disponível em inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/100.

Autor: Fabrício Assumpção

Bacharel em Biblioteconomia. Doutorando em Ciência da Informação na UNESP.

1 pensamento em “Catalogação, formas de representação e construções mentais”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *