Catalogação de livros em braille

Catalogação de livros em Braille
Fonte: Braille magazines at DC public library 2 (Wikimedia Commons)

Há algumas semanas postei aqui uma proposta de estudo sobre o uso do nome social na catalogação; foi o primeiro post da categoria Entrada secundária, que reúne textos de leitores do blog.

O post de hoje, também publicado na categoria Entrada secundária, é sobre o trabalho A representação do livro em braille em catálogos de bibliotecas, de autoria de Felipe José Lêdo, que defendeu seu TCC no curso de Biblioteconomia da UNIRIO. A seguir, destaco e comento alguns trechos do trabalho.


A representação do livro em braille em catálogos de bibliotecas

Felipe José Lêdo
Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Nas primeiras linhas de seu trabalho, Felipe já esclarece qual é sua preocupação:

Muitas pesquisas vêm sendo realizadas acerca do acesso de deficientes visuais aos prédios de bibliotecas, nas quais problemas relativos às barreiras arquitetônicas são abordados. Assim como as questões referentes ao acesso de deficientes visuais às informações transmitidas em sítios na internet também estão recebendo a atenção de muitos pesquisadores.
Mas, e os problemas relativos ao acesso e à compreensão de deficientes visuais às informações veiculadas em registros bibliográficos de Catálogos em Linha de Acesso Público (OPACs) de bibliotecas? Quanto a essa temática, não há muitas pesquisas. (LÊDO, 2016, p. 15)

Esta pesquisa tem como objetivo geral analisar como ocorre a representação do livro em braille em OPACs de bibliotecas brasileiras, tencionando refletir acerca de tal representação como fator imprescindível para que os usuários deficientes visuais possam acessar e compreender os registros bibliográficos de livros em braille disponíveis em uma biblioteca. (LÊDO, 2016, p. 18)

Quanto à catalogação de livros em braille, essa pode ser uma tarefa complicada para muitos bibliotecários, pois nem todas as edições possuem página de rosto, obrigando o bibliotecário a catalogar utilizando a capa do livro como a fonte principal de informação. (LÊDO, 2016, p. 31)

Após uma revisão da literatura sobre o deficiente visual, o acesso à informação, a catalogação, os catálogos, o AACR2r, o FRBR, a Declaração dos princípios internacionais de catalogação e o documento “Bibliotecas para Cegos na Era da Informação: Diretrizes de Desenvolvimento”, o autor partiu para a análise do catálogo de três bibliotecas: a Biblioteca Nacional, a Biblioteca Pública Municipal Louis Braille e a Biblioteca Louis Braille do Instituto Benjamin Constant.

[…] executou-se uma análise dos OPACs e dos registros bibliográficos relacionando-os às normas e diretrizes […] visando verificar se os OPACs e os registros bibliográficos estavam adequados aos usuários deficientes visuais de forma a facilitar o acesso e a compreensão. Foram analisados os registros bibliográficos disponíveis nos formatos OPAC e MARC 21, sendo desconsiderados quaisquer outros formatos (como a ABNT, entre outros). (LÊDO, 2016, p. 23)

Os resultados da análise foram sintetizados no Quadro 3 (p. 101-102), que você pode conferir neste link ou nas imagens a seguir (clique para ampliar).

(LÊDO, 2016, p. 101)

(LÊDO, 2016, p. 102)

Partindo desses resultados, são apresentadas situações que ilustram alguns dos empecilhos que um deficiente visual encontra ao utilizar o catálogo das bibliotecas estudadas, por exemplo:

Caso um usuário deficiente visual acesse o OPAC da Biblioteca Pública Municipal Louis Braille, encontrará os seguintes entraves: dificuldades para encontrar um livro em braille, pois não existe a opção de pesquisa pelo suporte livro em braille; dificuldades para percorrer o catálogo e recuperar diversos documentos que estejam indexados sob um mesmo termo, já que os termos não são apresentados em formato de links; dificuldades para navegar no OPAC de forma independente devido à ausência de tecnologia adaptativa; dificuldades para ler as informações transmitidas pelo OPAC e pelos registros bibliográficos, uma vez que não está explícita as opções de alto contraste e de aumento de fonte; dificuldades para recuperar livros de ficção que tratem de uma temática, tendo em vista que a indexação levou em conta apenas o meio de expressão e a nacionalidade do autor. (LÊDO, 2016, p. 103)

Considerando esses empecilhos, o autor sugere uma série de recomendações (p. 104) tanto para o desenvolvimento/melhoria dos catálogos quanto para os processos de representação (catalogação e indexação). Vale a pena conferir essas recomendações!

Ao concluir suas considerações, ele destaca que:

não basta saber catalogar, é preciso, também, saber para quem catalogar.” (LÊDO, 2016, p. 107)


Alguns comentários

Uma das características que aprecio muito no trabalho do Felipe é que ele reúne avaliação do catálogo e avaliação da catalogação. Em minha percepção, a avaliação do catálogo é algo realizado com maior frequência do que a avaliação da catalogação (pelo menos é isso que podemos notar pela literatura).

Podemos encontrar avaliações de catálogos no âmbito da arquitetura da informação e da automação de bibliotecas. Sobre essas avaliações, além dos pontos levantados pelo Felipe, destaco um ponto que julgo de grande importância (e muitas vezes negligenciado pelos bibliotecários): os rótulos utilizados para representar as informações bibliográficas.

Você já se perguntou se o seu usuário sabe o que é ent. princ. ou ent. sec.? Entrada? Imprenta? E olha que nem vou entrar na questão dos et al., S. l., s. n., il. color., etc. que a gente vê por aí… Aproveito, assim, para refazer a frase do Felipe: saber catalogar inclui saber para quem catalogar.

Já a avaliação da catalogação, infelizmente, quase nunca é realizada. Essa avaliação deveria abordar questões como a consistência da catalogação, levantada em diversos momentos no trabalho do Felipe (por exemplo, em um mesmo catálogo, alguns registros de livros em braille apresentavam a DGM, enquanto outros não o faziam). Não conheço nenhum trabalho que trate especificamente disso. Se você conhecer algum, deixe seu comentário!

Referência

LÊDO, Felipe José. A representação do livro em braille em catálogos de bibliotecas. 2016. 114 f. Monografia (Bacharelado em Biblioteconomia) – Centro de Ciências Humanas e Sociais, Escola de Biblioteconomia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

Autor: Fabrício Assumpção

Bacharel em Biblioteconomia. Doutorando em Ciência da Informação na UNESP.

1 pensamento em “Catalogação de livros em braille”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *