RDA em 10 posts: #10 Indique os relacionamentos entre as pessoas, famílias e entidades coletivas

RDA em 10 posts: #10 Indique os relacionamentos entre as pessoas, famílias e entidades coletivas

Nesse último post da série RDA em 10 posts falarei sobre o registro dos relacionamentos entre pessoas, famílias e entidades coletivas, que permitem ao usuário navegar pelos registros de autoridade encontrando pessoas, famílias e entidades coletivas relacionadas às entidades buscadas por ele.

O registro desses relacionamentos ocorre de acordo com a seção 9, Registro dos relacionamentos entre pessoas, famílias e entidades coletivas, que provê instruções semelhantes àquelas usadas no registro dos relacionamentos entre outras entidades: utilize o ponto de acesso autorizado ou o identificador da entidade relacionada e um designador de relacionamento que ajude a explicitar a natureza do relacionamento entre as duas entidades.

Os designadores que podem ser utilizados nesses relacionamentos estão organizados no Apêndice K de acordo com as entidades relacionadas, por exemplo, pessoa-pessoa, pessoa-família, pessoa-entidade coletiva, entidade coletiva-pessoa, etc.

Designadores de relacionamento: pessoas, famílias e entidades coletivas

Os relacionamentos entre pessoas, famílias e entidades coletivas não são registrados nos mesmos registros que os atributos e relacionamentos das entidades presentes no recurso (obra, expressão, manifestação e item), mas sim nos registros de autoridade das próprias pessoas, famílias e entidades coletivas.

De modo geral, podemos dizer que esses relacionamentos equivalem às remissivas “Ver também” presentes nos registros de autoridade.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.

RDA em 10 posts: #9 Indique os relacionamentos entre o livro e as obras, expressões, manifestações e itens

RDA em 10 posts: #9 Indique os relacionamentos entre o livro e as obras, expressões, manifestações e itens

Além de indicar com quais pessoas, famílias e entidades coletivas o recurso possui alguma relação, o RDA provê instruções para o registro dos relacionamentos entre as entidades presentes no recurso (obra, expressão, manifestação e item) e outras obras, expressões, manifestações e itens.

Esses relacionamentos são a chave para um catálogo que disponha ao usuário todas as obras, expressões, manifestações e itens que estejam de alguma forma associados ao recurso por ele desejado.

As instruções para o registro desses relacionamentos estão presentes na seção 8, Registro dos relacionamentos entre obras, expressões, manifestações e itens. De acordo com as diretrizes gerais dessa seção, a indicação dos relacionamentos ocorre com a utilização dos pontos de acesso autorizados ou identificadores das entidades relacionadas e com os designadores de relacionamento. Os pontos de acesso autorizados e os identificadores foram abordados no post #7 Indique os relacionamentos entre a obra, a expressão, a manifestação e o item. Os designadores de relacionamento são encontrados no apêndice J.

Os relacionamentos registrados nessa seção podem ser derivativos, descritivos, todo-parte, de acompanhamento, sequencial e de equivalência. Esses relacionamentos estão organizados na seção 8 e no apêndice J de acordo com as entidades relacionadas:

Obras relacionadas (capítulo 25) – utilizado para indicar que uma obra: está baseada em outra obra; é uma adaptação cinematográfica, televisiva, etc. de outra; é uma síntese de outra; está contida em outra; é analisada, criticada, resenhada, etc. em outra; é continuação de outra; etc.

Expressões relacionadas (capítulo 26) – utilizado para indicar que uma expressão: está baseada em outra expressão; é uma adaptação de outra; é uma tradução de outra; etc.

Manifestações relacionadas (capítulo 27) – utilizado para indicar que uma manifestação: está também publicada em outro suporte; contém outra manifestação; está publicada com outra; etc.

Itens relacionados (capítulo 28) – utilizado para indicar que um item: é reprodução de outro item; contém outro; está encadernado com outro; etc.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.

RDA em 10 posts: #8 Indique os relacionamentos entre o livro e as pessoas, famílias e entidades coletivas

RDA em 10 posts! #8 Indique os relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas

Após indicar os relacionamentos entre as quatro entidades presentes no recurso (obra, expressão, manifestação e item), é necessário indicar com quais pessoas, famílias e entidades coletivas essas entidades possuem alguma relação.

Para essa indicação são utilizados os capítulos 18, 19, 20, 21 e 22, que integram a seção 6, Registro dos relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele.

Segundo as diretrizes gerais dadas no capítulo 18, para o registro desses relacionamentos podem ser utilizados os pontos de acesso autorizados ou os identificadores das pessoas, famílias e entidades coletivas. O registro dos identificadores e a construção dos pontos de acesso autorizados para essas entidades foram abordados no post #6 Considere as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao livro.

Os demais capítulos da seção 6 destinam-se ao relacionamento de cada entidade do recurso com as pessoas, famílias e entidades coletivas, como mostrado na figura a seguir.

Capítulos do RDA para o registro dos relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele

Junto aos pontos de acesso autorizados e identificadores podem ser utilizados termos que explicitam a natureza do relacionamento entre as entidades. Esses termos, chamados de designadores de relacionamento, são encontrados no apêndice I, Designadores de relacionamento: relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele.

Alguns exemplos de designadores de relacionamento são:

  • autor, compositor, inventor, fotógrafo, programador (para a obra);
  • editor, ilustrador, ator, dançarino, narrador, tradutor (para a expressão);
  • tipógrafo, litógrafo, designer gráfico/diagramador (para a manifestação);
  • proprietário atual, vendedor (para o item).

Penso que a utilização de designadores de relacionamento é um dos grandes diferenciais do RDA em relação ao AACR2r, principalmente considerando que caminhamos para um cenário em que os dados estarão vinculados de modo que possam ser processados não somente por humanos, mas também por máquinas. Se quiser saber mais sobre os designadores de relacionamento e sobre o papel que podem desempenhar, recomendo a leitura do post Reflexões sobre a indicação de responsabilidade e os pontos de acesso.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.

RDA em 10 posts: #7 Indique os relacionamentos entre a obra, a expressão, a manifestação e o item

RDA em 10 posts! #7 Indique os relacionamentos entre a obra, a expressão, a manifestação e o item

Agora que as quatro entidades presentes no recurso (obra, expressão, manifestação e item) foram descritas, é necessário indicar os relacionamentos existentes entre elas. Essa indicação utiliza-se dos pontos de acesso autorizados e dos identificadores.

Pontos de acesso autorizados

De modo geral, o Ponto de acesso autorizado para uma obra (RDA 6.27.1) é o ponto de acesso autorizado de seu criador mais o Título preferido para a obra (RDA 6.2.2), por exemplo: Tolkien, J. R. R. The Silmarillion.

Já o Ponto de acesso autorizado para uma expressão (RDA 6.27.3) é formado pelo ponto de acesso autorizado para a obra e o Tipo de conteúdo (RDA 6.9), a Data da expressão (RDA 6.10), o Idioma da expressão (RDA 6.11) ou qualquer outra característica que possa ser utilizada para distinguir a expressão de outras expressões da mesma obra. Um exemplo de ponto de acesso para a expressão é: Tolkien, J. R. R. The Silmarillion. Português.

Identificadores

A manifestação e o item não possuem pontos de acesso, mas sim identificadores. O Identificador para a manifestação (RDA 2.15) pode ser, por exemplo, seu ISBN. O Identificador para o item (RDA 2.19) pode ser seu número de registro/tombo.

As obras e as expressões também podem ter identificadores. VIAF ID: 183065413, por exemplo, é o identificador para a obra The Silmarillion.

Os pontos de acesso autorizados e os identificadores das quatro entidades são reunidos. Essa reunião ocorre de acordo com as instruções dadas no capítulo 17, Diretrizes gerais para o registro dos relacionamentos primários, e tem por objetivo indicar os relacionamentos entre as quatro entidades de modo que seja possível navegar por entre elas: da obra para a expressão, da expressão para a manifestação, etc.

Em um catálogo contendo registros isolados para cada uma dessas entidades, as instruções dadas no capítulo 17 permitiriam a vinculação desses registros. No entanto, dadas as possibilidades oferecidas pelas tecnologias de informática, essa vinculação poderia ocorrer de forma automática durante o processo de catalogação.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.

RDA em 10 posts: #6 Considere as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao livro

RDA em 10 posts #6 Considere as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao livro

Após descrever o recurso é necessário indicar as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele. Para essa indicação são necessários os pontos de acesso autorizados que representam essas entidades. A construção desses pontos de acesso ocorre por meio do registro de uma série de dados:

Registre os dados que ajudam as pessoas a identificar uma pessoa/família/entidade coletiva. Para uma pessoa, utilize o nome (nome preferido e nomes variantes), datas, títulos, forma completa do nome, gênero, país associado, local de nascimento, afiliação, idioma, campo de atividade, profissão ou ocupação, informação biográfica, identificadores, etc.

Esses dados são registrados de acordo com os capítulos 8, Diretrizes gerais para o registro dos atributos de pessoas, famílias e entidades coletivas, 9, Identificação de pessoas, 10, Identificação de famílias, e 11, Identificação de entidades coletivas, que constituem a seção 3 do RDA, Registro dos atributos de pessoa, família e entidade coletiva.

Para o registro dos atributos que dizem respeito aos lugares (cidades, estados, países, etc.) relacionados às pessoas (Local de nascimento (RDA 9.8), Local de morte (RDA 9.9), País associado à pessoa (RDA 9.10) e Local de residência (RDA 9.11)), famílias (Local associado à família (RDA 10.5)) e entidades coletivas (Local da conferência, etc. (RDA 11.3.2) e Local de sede (RDA 11.3.3)) é necessário utilizar o capítulo 16, Identificação de lugares.

Vale lembrar que muitos dos atributos dos capítulos 9, 10 e 11 são considerados “core elements” (elementos essenciais) somente se necessários para diferenciar entidades com o mesmo nome. Nesses casos, tais atributos podem ser incluídos no ponto de acesso autorizado, nos pontos de acesso variantes e/ou em alguma outra parte do registro de autoridade.

Como mencionei no post #4 Considere o conteúdo do livro, os pontos de acesso autorizados para as pessoas, famílias e entidades coletivas podem ser utilizados como parte dos pontos de acesso que representam obras.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.