FRSAD: entidades, atributos e relacionamentos

Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto (FRSAD)

O volume 12, número 2 da Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação trouxe o artigo Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto (FRSAD): entidades, atributos e relacionamentos, de autoria de Maria Antônia Fonseca Melo e Marisa Bräscher.

Apresenta o modelo conceitual Requisitos Funcionais para Dados de Autoridade Assunto – FRSAD, que ora se apresenta como tendência para a descrição de assunto. Discute o conceito e os relacionamentos semânticos no contexto da organização e representação da informação. Analisa o FRSAD quanto aos seus objetivos e estrutura e discorre, mais especificamente, sobre como esse modelo trata o conceito (thema) e os relacionamentos semânticos (thema-to-thema). Conclui que o FRSAD amplia o escopo de possibilidades de representação temática de uma obra, ao considerar como assunto as dez entidades do modelo Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos – FRBR. O modelo FRSAD não faz recomendações específicas aos relacionamentos entre conceitos, pois seu objetivo é permitir o tratamento de atributos e relacionamentos de maneira independente de qualquer implementação.

Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências

Catalogacao: conceitos, praticas, atualidades e tendencias

É com grande contentamento que anuncio o curso online Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências, que ministrarei a partir de setembro de 2013 em parceria com a Content Mind, empresa focada na educação continuada para profissionais da informação.

O curso faz um resgate das práticas e instrumentos atuais (o Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR2r), os Formatos MARC 21 e o controle de autoridade) ao mesmo tempo que apresenta alguns dos tópicos atualmente discutidos internacionalmente na catalogação: os modelos conceituais FRBR e FRAD, o padrão RDA, os padrões de metadados e as ferramentas para a edição de registros e para a captura de dados que auxiliam no trabalho do catalogador.

Para prover um entendimento prático e teórico da catalogação e dos padrões de metadados nos ambientes digitais, o curso aborda também a XML, tecnologia que tem servido de base para o intercâmbio de dados na Web.

O curso terá início em setembro de 2013, no entanto, as inscrições poderão ser feitas a partir de junho. Para inscrições e maiores informações sobre o curso, acesse Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências.

Content Mind

A Content Mind tem oferecido cursos online, presenciais, semipresenciais e personalizados cobrindo diversas áreas de interesse dos profissionais da informação, tais como unidades de informação e Web 2.0, repositórios digitais com o DSpace, editoração de periódicos com o OJS/SEER, gestão da informação, gestão de bibliotecas digitais e qualidade no atendimento ao cliente. Informações sobre esses e outros cursos da Content Mind podem ser obtidas em Cursos.

FRBR: considerações sobre o modelo e sua implementabilidade

Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR)

O volume 8, número 2 da Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação traz o artigo Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR): considerações sobre o modelo e sua implementabilidade, de autoria de Renata Eleuterio da Silva e Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa Santos.

As tecnologias de informação e comunicação (TIC) tornaram possível a adaptação dos catálogos bibliográficos ao ambiente digital, dando a eles muito mais rapidez, flexibilidade e eficiência na recuperação da informação. Os FRBR, sendo um modelo conceitual para o universo bibliográfico baseado na modelagem entidade-relacionamento, trouxeram à área da Biblioteconomia a possibilidade de tornar mais eficiente o funcionamento dos catálogos. O modelo FRBR foi a primeira iniciativa que se importou com a forma de realizar a modelagem conceitual de catálogos bibliográficos, de modo que não se gastassem mais esforços com o desenvolvimento individual de modelagens distintas e inconsistentes. Entretanto, mesmo muitos anos após sua publicação, poucas foram as reais iniciativas de implementação. Objetiva-se apresentar de forma sucinta o modelo FRBR, com base em suas principais características e estrutura, além de trazer à discussão algumas considerações e inconsistências que, de acordo com a literatura estudada, podem ser a justificativa para a falta de iniciativas de implementação do mesmo. Toma-se por base a literatura nacional e internacional sobre modelagem conceitual e sobre o modelo FRBR.

O artigo está disponível em: http://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/214.

Artigos: Interoperabilidade global e linked data em bibliotecas

Italian Journal of Library and Information Science

O volume 4, número 1, do Italian Journal of Library and Information Science, publicado em  janeiro de 2013, traz alguns dos trabalhos apresentados durante o seminário Global Interoperability and Linked Data in Libraries, realizado em 18 e 19 de junho de 2012 na University of Florence.

Os 27 artigos desse número estão divididos em três seções: Linked data como um novo paradigma da interconexão de dados, Publicação de vocabulários e padrões em linked data e Em direção à Web dos Dados: aplicações e experiências.

Alguns dos artigos são:

Os artigos, disponíveis em inglês e em italiano, podem ser acessados em Italian Journal of Library and Information Science, v. 4, n. 1, 2013.