RDA em 10 posts: #8 Indique os relacionamentos entre o livro e as pessoas, famílias e entidades coletivas

RDA em 10 posts! #8 Indique os relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas

Após indicar os relacionamentos entre as quatro entidades presentes no recurso (obra, expressão, manifestação e item), é necessário indicar com quais pessoas, famílias e entidades coletivas essas entidades possuem alguma relação.

Para essa indicação são utilizados os capítulos 18, 19, 20, 21 e 22, que integram a seção 6, Registro dos relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele.

Segundo as diretrizes gerais dadas no capítulo 18, para o registro desses relacionamentos podem ser utilizados os pontos de acesso autorizados ou os identificadores das pessoas, famílias e entidades coletivas. O registro dos identificadores e a construção dos pontos de acesso autorizados para essas entidades foram abordados no post #6 Considere as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas ao livro.

Os demais capítulos da seção 6 destinam-se ao relacionamento de cada entidade do recurso com as pessoas, famílias e entidades coletivas, como mostrado na figura a seguir.

Capítulos do RDA para o registro dos relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele

Junto aos pontos de acesso autorizados e identificadores podem ser utilizados termos que explicitam a natureza do relacionamento entre as entidades. Esses termos, chamados de designadores de relacionamento, são encontrados no apêndice I, Designadores de relacionamento: relacionamentos entre o recurso e as pessoas, famílias e entidades coletivas associadas a ele.

Alguns exemplos de designadores de relacionamento são:

  • autor, compositor, inventor, fotógrafo, programador (para a obra);
  • editor, ilustrador, ator, dançarino, narrador, tradutor (para a expressão);
  • tipógrafo, litógrafo, designer gráfico/diagramador (para a manifestação);
  • proprietário atual, vendedor (para o item).

Penso que a utilização de designadores de relacionamento é um dos grandes diferenciais do RDA em relação ao AACR2r, principalmente considerando que caminhamos para um cenário em que os dados estarão vinculados de modo que possam ser processados não somente por humanos, mas também por máquinas. Se quiser saber mais sobre os designadores de relacionamento e sobre o papel que podem desempenhar, recomendo a leitura do post Reflexões sobre a indicação de responsabilidade e os pontos de acesso.

Referências

Brenndorfer, Thomas. RDA in 10 easy steps (for cataloguing a book). [S.l.]: RDACAKE, 2011.

Autor: Fabrício Assumpção

Bacharel em Biblioteconomia. Doutorando em Ciência da Informação na UNESP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *