Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?

Nesta segunda-feira, 27 de abril de 2020, às 15h, realizarei uma apresentação online intitulada “Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?”. A apresentação é uma realização do Grupo de Trabalho em Catalogação da FEBAB, será transmitida pelo e ficará disponível no canal da FEBAB no YouTube.

O objetivo da minha fala é apresentar alguns pontos que considero importante para a discussão e o desenvolvimento das atividades de catalogação no cenário atual, pontos estes que vão além do conhecimento dos instrumentos “tradicionais” como o AACR2 e os Formatos MARC 21, e incluem o acompanhamento dos instrumentos emergentes (RDA, BIBFRAME, etc.) e a incorporação de novos conceitos (LRM, URIs, Linked Data, etc.).


Perguntas & Comentários

Atualização (19/07/2020): Seguem as perguntas recebidas e comentadas ao final da apresentação:

Jacqueline Loyola: “​O RDA não exclui o AACR2?” Pergunta e resposta: 58:06

Amanda Sertori: “AACR sabemos que tem pontos que necessitam se adequar a realidade dos novos formatos de documentos, mas em relação ao Marc 21, quais são esses pontos críticos que você mencionou?” Pergunta e resposta: 59:00

Janaina Fialho: “quais suas perspectivas sobre o uso da RDA no Brasil?” Pergunta e resposta: 1:03:32

Herbenio Bezerra: “​Nos catálogos online várias partes da descrição podem ser consideradas pontos de acesso, correto? Nesse sentido, os conceitos de Ponto de Acesso Principal e Secundário ainda fazem sentido?” Pergunta e resposta: 1:07:37

ssueleem:​ “Numa migração de dados entre sistemas, qual a possibilidade de perdas de dados, ou incompatibilidades?” Pergunta e resposta: 1:12:58

Juliana Taboada​: “Boa tarde! Sinto que há várias discussões em relação ao RDA e modelos conceituais no Brasil (e talvez impulsione os questionamentos para o AACR2). Mas e o BIBFRAME? Há avanços do formato por aqui?” Pergunta e resposta: 1:16:34

Daniela de Oliveira Correia​: “O que você vislumbra como o próximo passo no que podemos chamar de novo degrau na evolução da catalogação no Brasil?” Pergunta e resposta: 1:18:29

Mari Pacheco​: “Já existe algum estudo sobre a utilização do RDA no Brasil?” Pergunta e resposta: 1:21:20

Marcelo Cavaglieri: “Como lidar com a falta de atualização do AACR2 aliado, por ex. a atualização da ABNT 6023, no qual deve ser org. e coord. minúsculos para gerar referência correta. O que sugere no 710?” Pergunta e resposta: 1:24:40

Marcia Andreiko​: “Fabrício você acha que os softwares nacionais estão preparados ou estão se preparando para o RDA? principalmente quanto a catalogação de autoridades?” Pergunta e resposta: 1:28:53

Daniela de Oliveira Correia: “​É nítido que modificações nos softwares são incipientes para continuarmos evoluindo em nossas práticas de catalogação. Gostaria que comentasse e também sobre a postura dos próprios catalogadores.” Pergunta e resposta: 1:34:00

Filipe Reis​: “Quais são os benefícios e prejuízos de um ensino de catalogação não focado/concentrado em código de catalogação?” Pergunta e resposta: 1:37:02


Receba os novos posts por e-mail

Autor: Fabrício Assumpção

Bacharel em Biblioteconomia. Doutorando em Ciência da Informação na UNESP.

Um comentário em “Eu ainda preciso aprender AACR2 e MARC 21?”

  1. Fabrício:

    I look forward to your talk. From my experience after working in RDA and testing BIBFRAME: you need a deep knowledge of AACR2 and MARC 21 to work with new standards & schema.

    AACR2: we initially batch updated millions of bibliographic records from AACR2 to RDA. Six or seven years later, I still upgrade AACR2 authority records to RDA–daily.

    MARC 21: you have to know every single MARC field and subfield to properly map your data to BIBFRAME elements–without exception. When I have the BIBFRAME editor open, I also keep the MARC standard open for reference. And that’s after a full year of testing.

    Take care!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.